Evangelho de Domingo – João 6, 60-69 – “Senhor, a quem iremos?”

“Senhor, a quem iremos?”

A PALAVRA – Evangelho: João 6, 60-69

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo João – Naquele tempo, 60Muitos dos seus discípulos, ouvindo-o, disseram: Isto é muito duro! Quem o pode admitir? 61Sabendo Jesus que os discípulos murmuravam por isso, perguntou-lhes: Isso vos escandaliza? 62Que será, quando virdes subir o Filho do Homem para onde ele estava antes?… 63O espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são espírito e vida. 64Mas há alguns entre vós que não crêem… Pois desde o princípio Jesus sabia quais eram os que não criam e quem o havia de trair. 65Ele prosseguiu: Por isso vos disse: Ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lho for concedido. 66Desde então, muitos dos seus discípulos se retiraram e já não andavam com ele. 67Então Jesus perguntou aos Doze: Quereis vós também retirar-vos? 68Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, a quem iríamos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. 69E nós cremos e sabemos que tu és o Santo de Deus! – Palavra da salvação.

A MENSAGEM

Ao longo da estrada de nossa vida, nos deparamos com muitas encruzilhadas, em que devemos fazer uma ESCOLHA:  Devemos tomar uma estrada e deixar a outra… Como é importante, nesses momentos, o testemunho seguro de alguém que sabe o que quer!

Li numa revista a afirmação de uma artista de TV: “Eu sou católica, batizei minha filha na Igreja, mas quando ela crescer, ela irá escolher a sua religião”.  O que você pensa a respeito? Será que essa mãe deixará a filha crescer, para ver se ela quer comer e estudar? “ESCOLHEI a quem quereis servir: os deuses do lugar, ou o Deus que nos libertou do Egito e fez uma Aliança conosco? Como Cristo e a Igreja formam um só corpo, assim marido e esposa, comprometidos numa comunidade de amor, formam um só corpo. O casal cristão deve ser sinal e reflexo da união de Cristo com a sua Igreja.

O Evangelho narra a ESCOLHA de Pedro. (Jo 6,60-69) O texto é a conclusão do discurso do “Pão da vida”, que provoca uma profunda crise entre os discípulos… Diante de Jesus e de suas palavras, são levados a fazer uma ESCOLHA… Cristo havia feito o milagre da multiplicação dos pães… O Povo entusiasmado quer proclamá-lo rei… Cristo pede um gesto de fé: crer ou não nele… aceitar ou não a sua proposta… Buscar apenas o pão material ou acolher o Dom do Pão da  vida… Como alimentara o povo com o pão material… assim também daria um outro pão que seria o próprio corpo (a Eucaristia). E o povo se escandaliza… não aceita… até os discípulos murmuram: “Essas palavras são duras demais, é difícil de engolir…” Muitos se retiram e o abandonam… Jesus não muda a linguagem, exige fé. A fé pode ser aceita ou recusada, mas não “negociada”… Sem a fé, não entenderiam aquelas palavras e aqueles sinais… Por isso, questiona os doze: “Vocês também querem ir embora?” Diante desse desafio, aparece o belo testemunho de Pedro: “A quem iremos, Senhor? Só tu tens palavras de vida eterna.” A atitude forte de Pedro dissipa as dúvidas dos demais apóstolos, e todos permanecem fiéis junto ao seu Mestre.

A nossa escolha. Todos os dias somos desafiados a construir a nossa vida nos valores do poder, do êxito, da ambição, dos bens materiais, da moda… E todos os dias somos convidados por Jesus a construir a nossa existência sobre os valores do amor, do serviço, da partilha com os irmãos, da simplicidade, da coerência com os valores do Evangelho…

Há momentos em que devemos fazer também a nossa ESCOLHA… CRISTÃO é quem escolhe Cristo e o segue… Para isso, deve ser educado no pensamento de Cristo, ver a história como ele, julgar a vida como ele, escolher e amar como ele, esperar como ele ensina, viver nele a comunhão com o Pai e o Espírito Santo. HOJE vemos muitos católicos deixando a religião e ficamos preocupados… A falha é de quem? Da Igreja que batiza? Dos pais que não vivem a vida cristã? Da comunidade que não evangeliza ou não testemunha sua fé? Você teria a mesma convicção firme de Josué… “Nem que todos te abandonem, eu e minha família, não…” Ou a mesma firmeza de Pedro? “A quem iremos, Senhor, só tu tens palavras de vida eterna”! Que tipo de cristão você pretende ser? Que tipo de religião pretende seguir? Uma religião REVELADA por Deus, que você acolhe generosamente…  ou uma religião CRIADA pelos homens, porque atende melhor a seus interesses pessoais? No Evangelho de hoje, Jesus não parece estar tão preocupado com o número de discípulos que continuarão a segui-lo. Prefere perder os discípulos a renunciar à Missão que recebeu do Pai. O Reino de Deus não é um concurso de popularidade…  Muitos pensam que, “suavizando” as exigências do Evangelho, seriam mais facilmente aceitas pelos homens do nosso tempo… O que deve nos preocupar não é tanto o número de pessoas que vão à igreja; mas o grau de autenticidade com que vivemos e testemunhamos no mundo a proposta de Jesus. E nós… a quem iremos? Se ainda estivermos indecisos em nossa escolha, recordemos as palavras de Pedro: “Senhor, a quem iremos, só tu tens palavras de vida eterna…”

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 26.08.2012