Avaliação dos Padres sobre a Semana Missionária de Sonora

Como avaliação sobre a Semana Missionária que aconteceu do dia 12 a 19 de agosto. A jovem Beatriz Oliveira buscou saber a opinião dos sacerdotes que por aqui estavam. Acompanhem a entrevista logo abaixo:

1.      Como está sendo esta ultima semana missionária?

Pe. Fabrício: Olha a semana missionária é uma benção de Deus e não é porque é a ultima que vai ser diferente, mas todas as semanas missionárias tiveram a sua característica particular porque cada paróquia tem uma realidade diferente, mas tem sido muito boa, uma experiência verdadeiramente de Deus, onde nós fazemos esse encontro com as pessoas nas visitas, e vamos reconhecendo a presença de Deus na acolhida das pessoas, na comunidade que reza.

Parabenizo a Paróquia Nossa Senhora Aparecida pela organização da semana. O trabalho foi dividido e nós percebemos que de fato a setorização está acontecendo.

2. Qual maior necessidade encontrada nas paróquias?

Pe. André: Acho que todos nós sentimos a necessidade que as pessoas tem em serem visitadas, de alguma forma nosso povo em geral está muito carente dessa visita, nós católicos não temos o costume de nos visitarmos, nos acostumamos em ser maioria, em ter a Igreja sempre cheia e achar que esta bom, então nos acomodamos um pouco. Então para nós ficou uma necessidade muito grande, essa necessidade de ir ao encontro de cada pessoa, é o primeiro objetivo das Santas Missões e a gente percebe que de fato é a primeira necessidade encontrada nas paróquias.

3. Conte-me uma visita que lhe tenha marcado ou algum momento durante as semanas missionárias vividas.

Pe. Lorival: Bom, como foram varias paróquias de nossa Diocese, eu sinceramente vivi momentos que tenho guardado no meu coração que jamais vou esquecer, mas assim alguns momentos que realmente foram muito significativos pra mim, foi àqueles momentos que eu estive visitando os doentes, eu encontrei nestas paróquias muitos doentes, mas um  deles me chamou  muita atenção, era um doente, um idoso que tinha 92 anos e ele estava muito bem, ele caminhava, ele tinha problemas de saúde como qualquer idoso tem, mas nós percebíamos  ele não tinha tanta vitalidade como um jovem, mas ele tinha um coração, uma disposição, ele tinha uma fé que sinceramente nunca tinha visto isso nenhum outro lugar, então é uma pessoa que me comoveu pela vida dele, pela história dele, me comoveu por tudo o que ele me ensinou. Eu como padre fui ate ele achando que deveria ensiná-lo, quando na verdade o testemunho as palavras foi um ensinamento muito grande pra mim eu sai de lá confortado, edificado e a minha fé ficou muito elevada com aquela pessoa, então eu tenho esta imagem deste senhor que realmente me ensinou.

4. E pra finalizar, quais mudanças que já se pode identificar nas comunidades?

Pe. João Paulo: A mudança concreta são os setores missionários, são as pessoas que estão ali trabalhando nesses setores, então pra mim a mudança mais visível é a participação, pessoas apareceram e os frutos maiores ainda estão por vir, e nós temos que continuar trabalhando sempre para cultivar esses frutos.

Amém!

PASCOM

Beatriz Silva Oliveira

Reportagem