Evangelho: Marcos 13, 33-37- 1º Domingo do Advento, Ano B

“O Senhor Vem!”

“O Senhor Vem!”

A PALAVRA

Evangelho: Marcos 13, 33-37 –

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos – Naquele tempo,33Ficai de sobreaviso, vigiai; porque não sabeis quando será o tempo. 34Será como um homem que, partindo em viagem, deixa a sua casa e delega sua autoridade aos seus servos, indicando o trabalho de cada um, e manda ao porteiro que vigie. 35Vigiai, pois, visto que não sabeis quando o senhor da casa voltará, se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã, 36para que, vindo de repente, não vos encontre dormindo. 37O que vos digo, digo a todos: vigiai! – Palavra da salvação.

A MENSAGEM

Iniciamos neste domingo o novo Ano Litúrgico (Ano B).

O ADVENTO é tempo de ESPERA: – na expectativa da 2ª vinda de Cristo, no fim dos tempos. (1ª e 2ª Semana); em preparação à 1ª vinda do Filho de Deus que comemoramos no NATAL (3ª e 4ª Semana).

As leituras deste domingo nos mostram como devemos viver esse tempo: “Vigilantes” para acolher o Senhor que vem.

A 1ª Leitura é uma SÚPLICA ardente ao Deus da História, pedindo um Salvador. (Is 63,16b-17.19b;64,2b-7) É uma das preces mais bonitas da Bíblia. Ao povo que voltou do exílio desanimado e indiferente à Aliança, o Profeta tenta acordar a esperança num futuro de vida e salvação. Deus é invocado como “Pai” e “Redentor” (Pai: fonte da vida familiar; Redentor: responsável pelo resgate). É a primeira vez que se chama Deus de Pai (2 x). No evangelho, Jesus usará mais tarde 184 vezes. Termina com a imagem do OLEIRO: Deus é o “oleiro” e o Povo é o “barro”, que o artista modela com amor… Somos barro, frágeis, mas somos também obra de suas mãos… somos a expressão do amor de Deus Faz lembrar a Criação do Homem do barro da terra. A mudança do coração do seu povo é uma nova Criação, da qual nascerá uma nova humanidade.

A 2a leitura é um APELO a esperar o Senhor que vem, dando testemunho com os dons recebidos. (1Cor 1,3-9) É a primeira vez que Paulo usa a Palavra “Carismas”. São os dons de Deus a determinadas pessoas para o bem da comunidade.

O Evangelho é uma EXORTAÇÃO à vigilância constante para preparar a vinda do Senhor. (Mc 13,33-37) O texto é o final do “Discurso escatológico”. A Parábola do Porteiro conta a história do homem que partiu em viagem, distribuiu tarefas aos seus servos e deu ao porteiro uma ordem que vigiassem… O “Dono da casa” é Jesus, que ao voltar para o Pai,

confiou aos discípulos a tarefa de construir o “Reino”, iniciado por ele.

Quem é o “porteiro”? São as lideranças da Comunidade, a quem foi confiada a missão

da vigilância e da animação da Comunidade.

O que a Parábola tem a nos dizer? A Vinda do Senhor é motivo de ESPERANÇA. A nossa caminhada humana não é um avançar sem sentido ao encontro do nada, mas uma caminhada feita na alegria ao encontro do “Senhor que vem”. E o Advento nos recorda que no final da nossa caminhada, o Senhor nos oferecerá a vida definitiva, a felicidade sem fim. Advento é tempo da ESPERA vigilante do Senhor. O verdadeiro discípulo deve estar sempre “vigilante”. VIGIAR significa não esquecer que toda a vida cristã é uma caminhada rumo ao encontro final com Cristo Salvador e Juiz. VIGIAR é a atitude de quem se sente responsável pela “casa” de Deus, proteger a Comunidade de invasões estranhas. VIGIAR significa viver sempre empenhado e comprometido na construção de um mundo de vida, de amor e de paz. VIGIAR Significa cumprir os compromissos assumidos no dia do batismo e ser um sinal vivo do amor e da bondade de Deus no mundo. VIGIAR significa cumprir a Missão recebida: dar testemunho de Jesus e do seu evangelho. VIGIAR significa não viver como se a vida se reduzisse à duração terrena, mas viver sempre na expectativa da revelação plena do Senhorio de Jesus.

Somos convidados a não “dormir”, a estar acordados e “vigilantes”, sempre prontos para lhe entregar a qualquer momento a sua “casa” bem cuidada?

É o que pretende esse tempo litúrgico, quando nos convida a seguir a marcha do Povo de Deus, que se preparava para a primeira vinda do Senhor: uma marcha lenta, obscura e dolorosa, para ali apreendermos qual deve ser a nossa ESPERANÇA nessa caminhada para Cristo. Em meio a tantos convites comerciais, permaneçamos atentos e vigilantes no Senhor.

“Nesse Natal, Cristo pede um lugar em nossa casa”. Será que ele pode contar com um lugar em nosso coração? Estamos dispostos a remover tudo o que rouba espaço para Ele,

e impede nosso caminho para Deus? Já reservamos tempo para a NOVENA do Natal em família? A novena é uma forma de concretizar a esperança e de reunir-se na mesma fé, permitindo que a ternura de Deus abra caminhos para a realização e a paz.

Nesse Natal, serão realmente felizes… as pessoas, em quem Cristo encontrou um lugar para nascer! Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 27.11.2011