Evangelho: Mateus 22, 34-40

O Maior Mandamento

Evangelho: Mateus 22, 34-40

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus – Naquele tempo, 34Sabendo os fariseus que Jesus reduzira ao silêncio os saduceus, reuniram-se 35e um deles, doutor da lei, fez-lhe esta pergunta para pô-lo à prova: 36Mestre, qual é o maior mandamento da lei? 37Respondeu Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito (Dt 6,5). 38Este é o maior e o primeiro mandamento. 39E o segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18). 40Nesses dois mandamentos se resumem toda a lei e os profetas. – Palavra da salvação.

Nesse Dia Mundial das Missões, a Igreja nos lembra que todo cristão deve ser missionário… A Liturgia focaliza a mensagem principal que devemos anunciar e testemunhar: o maior Mandamento da LEI: o AMOR.

A 1a Leitura afirma que o maior Mandamento é o Amor concretizado através da defesa dos mais necessitados e desprotegidos: Estrangeiros (migrantes), viúvas, órfãos, endividados, pobres. (Ex 22,20-26)

Já no Antigo Testamento, o Amor ao próximo era visto em relação a Deus, como respeito à sua lei e como reflexo do seu amor para com os homens… Mas é, sobretudo, no Novo Testamento que é iluminado e aperfeiçoado pela doutrina de Jesus, como se pode ver no Evangelho de hoje.

Na 2ª leitura, São Paulo destaca o exemplo de Amor vivido pelos cristãos de Tessalônica. Tornou-se semente de fé e amor, que deu frutos em outras comunidades. (1Ts, 5c-10)

No Evangelho, Jesus resume toda a LEI no Amor: Amor a Deus e aos irmãos. (Mt 22,34-40). Segue o confronto de Jesus com as lideranças judaicas. Os fariseus apresentam armadilhas bem montadas, destinadas a provocar afirmações polêmicas de Jesus, para poder acusá-lo e condená-lo.

Os fariseus perguntam: “Qual é o maior dos mandamentos?” Era uma questão muito polêmica entre os líderes religiosos daquele tempo. Alguns afirmavam que o maior de todos os mandamentos era guardar o sábado. Outros diziam que todos os mandamentos tinham o mesmo valor. Ademais os judeus tinham 613 mandamentos (a maioria proibições). Era um grande emaranhado de preceitos e prescrições. Muita gente hoje tem dificuldade em recordar de cor os 10 mandamentos. Imaginem a dificuldade para lembrar e cumprir todas essas normas.

Jesus responde, buscando fundamentação em duas passagens da Bíblia: Deuteronômio: “Amarás o Senhor teu Deus com todas…” (Dt 6,5) Levítico: “Amarás teu próximo como a ti mesmo…” (Lv 19,18)

Esses dois mandamentos já eram conhecidos, mas a originalidade deste ensinamento está em dois pontos: Define o Amor a Deus e ao irmão como o centro essencial da Lei; Unifica e equipara os dois mandamentos: “O segundo é semelhante a esse”. Portanto, não são dois mandamentos diversos, mas duas faces da mesma moeda. Esses dois mandamentos são a expressão maior da vontade de Deus. São o resumo de toda a Bíblia…

O que esse Evangelho tem a nos dizer, hoje? Ao longo dos dois mil anos de cristianismo fomos criando muitos mandamentos, preceitos, proibições, exigências, opiniões, pecados e virtudes, que arrastamos pesadamente pela história.  E acabamos perdendo a noção do que é verdadeiramente importante. Hoje, ficamos discutindo certas questões secundárias, sem discernir muitas vezes o essencial da proposta de Jesus.

O Evangelho deste domingo é claro: o essencial é o amor a Deus e o amor aos irmãos.

Para o cristão, o Amor é fundamental, porque Deus é amor e ama o homem, e o homem é um ser criado para amar. Talvez tenhamos de remover muito lixo acumulado com o tempo, que nos impede de compreender, de viver, de anunciar e de testemunhar o cerne da proposta de Jesus.

O AMOR A DEUS nós manifestamos quando nos mantemos na Escuta de sua Palavra e na disposição de cumprir a sua vontade.

Esforço-me, de fato, em escutar as propostas de Deus, mantendo um diálogo pessoal com Ele, procurando refletir e interiorizar a sua Palavra, tentando interpretar os sinais com que Ele me interpela na vida de cada dia? Tenho o coração aberto ou fechado às suas propostas? Procuro ser uma testemunha profética de Deus e do seu Reino?

O AMOR AOS IRMÃOS nós manifestamos ao dar atenção às pessoas que encontramos pelos caminhos da vida, ao sentir-nos solidários com as alegrias e sofrimentos de cada pessoa, ao partilhar as desilusões e esperanças do próximo, ao fazer da nossa vida um dom total a todos. O mundo, em que vivemos, precisa redescobrir o amor, a solidariedade, o serviço, a partilha, o dom da vida… Nossa Assembléia, convocada pelo amor do Pai, realiza ao mesmo tempo o duplo mandamento (os dois amores). Unidos na caridade fraterna nos dirigimos ao Pai como filhos…

Estamos no último domingo do mês missionário… Vivendo intensamente esses dois amores (a Deus e ao Próximo), crescerá também em nós um novo “Ardor Missionário”.

“O Dia Mundial das Missões reavive em cada um o desejo e a alegria de “ir” ao encontro da humanidade levando Cristo a todos”.  (Bento XVI – 2011) “Amor não tem fronteiras, a vida é uma missão. Amor é para todos, Deus quer um mundo irmão”. (Igreja em Missão) Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 23.10.2011.

Notícias Diocesanas

De 16 a 23 de outubro – Semana Missionária em Camapuã- Paróquia são João Batista

Dia 23 de Outubro – Dia da Coleta do Dia Mundial das Missões

22 a 23 – Dom Antonino participa da Assembléia do Regional Oeste 1 CNBB – em Campo Grande

23 e 24 – Reunião dos Bispos do Regional CNBB Oeste 1 – em Campo Grande-MS

25 a 27 – Dom Antonino participa do Conselho Permanente da CNBB – em Brasília