Eu Estarei convosco até o fim dos tempos

Brotam da doutrina da Ressurreição e da Ascensão estes paradoxos cristãos, mencionados com frequência nas Escrituras, a saber, que nos afligimos sem por isso pararmos de rejubilar, como «nada tendo e, no entanto, tudo possuindo» (2Cor 6,10).

«Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos»

O regresso de Cristo a Seu Pai é ao mesmo tempo fonte de pesar, por ser sinónimo da Sua ausência, e fonte de alegria, por significar a Sua presença. Brotam da doutrina da Ressurreição e da Ascensão estes paradoxos cristãos, mencionados com frequência nas Escrituras, a saber, que nos afligimos sem por isso pararmos de rejubilar, como «nada tendo e, no entanto, tudo possuindo» (2Cor 6,10).
A PALAVRA – Evangelho segundo S. Mateus 28,16-20.

Os onze discípulos partiram para a Galileia, para o monte que Jesus lhes tinha indicado.

Quando o viram, adoraram-no; alguns, no entanto, ainda duvidavam.

Aproximando-se deles, Jesus disse-lhes: «Foi-me dado todo o poder no Céu e na Terra.

Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado. E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos.»
A MENSAGEM

Olhando para o Céu

Com a festa da ASCENSÃO, queremos celebrar: – O Final da Missão terrena de Cristo,

– O Início da Missão salvadora da Igreja. Na liturgia deste domingo as Leituras lembram o FATO, embora narrados com pormenores diferentes e até contraditórios.

Na 1ª Leitura, Lucas, após uma introdução aos Atos dos apóstolos, descreve a Despedida de Jesus em JERUSALÉM. Sublinha a Vinda do Espírito Santo e o Testemunho que os discípulos deverão dar “até os confins da terra”. (At 1,1-11)

Na 2ª leitura, Paulo vê na Ascensão a glorificação de Cristo e o anúncio do retorno de toda a humanidade para Deus. (Ef 1,17-23)

O Evangelho narra a Aparição Pascal de Jesus na GALILÉIA. Refere a Apresentação de Jesus: “Todo PODER me foi dado…; A Missão: “IDE e fazei discípulos meus todos os povos; A Promessa: “ESTAREI CONVOSCO até o fim dos tempos…” (Mt 28,16-20)

A Igreja de Cristo é, essencialmente, uma Comunidade MISSIONÁRIA, cuja missão é testemunhar no mundo a proposta de salvação e de libertação que Jesus veio trazer aos homens e deixou nas mãos e no coração dos discípulos.

Essa MISSÃO tem duas características: É universal: destinada a “todas as nações”. A Iniciação cristã tem duas fases: O Ensino e o Batismo. Começava-se pela Catequese: as palavras e os gestos de Jesus. Depois vinha o Batismo, que selava a vinculação do discípulo com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Jesus garante que está sempre com os discípulos “até ao fim dos tempos”.

Os detalhes da narrativa não devem ser tomados ao pé da letra; são mais simbólicos.

– Os 40 dias expressam o “tempo de aprendizagem” necessário para um discípulo aprender e repetir as lições do mestre;

A elevação ao céu expressa a exaltação total de Jesus; A nuvem é um sinal que esconde e manifesta a presença de Deus; Os dois homens vestidos de branco indicam que o testemunho vem de Deus; Os discípulos olhando para o céu lembram a expectativa da comunidade que esperava a segunda vinda de Cristo.

Contradições: quando? (logo após a ressurreição ou 40 dias depois); onde? (em Jerusalém ou na Galiléia).

Ressurreição, Ascensão, Pentecostes: 3 Momentos distintos? ou momentos catequéticos de um único Mistério de fé: a Páscoa do Senhor: Na Ressurreição: A Liturgia destaca sua VITÓRIA sobre a morte… Na Ascensão: Sua EXALTAÇÃO como Senhor do céu e da terra, e a entrega de sua missão à comunidade eclesial, através dos apóstolos… No Pentecostes: A Ação do ESPÍRITO SANTO na Igreja, que começa a sua atividade missionária de novo Povo de Deus… A ASCENSÃO não é uma narrativa histórica, mas uma encenação literária da exaltação de Jesus… com muitas semelhanças da subida de Elias ao céu no carro de fogo…

Sentido da festa:

1. A Ascensão de Cristo reforça a ESPERANÇA de nossa Ascensão. Um futuro inigualável nos aguarda… “Ele ‘subiu’ para dar-nos a esperança de que um dia iremos ao seu encontro, onde ele nos precedeu…” (Prefácio)

2. A Ascensão nos lembra que somos ENVIADOS de Cristo para continuar e completar a sua obra… Não podemos ficar parados, olhando para o céu… Devemos ser discípulos e fazer discípulos para o Reino…

E Cristo nos garante: “Estarei convosco todos os dias, até ao fim dos tempos mundo…”

3. Mas esse trabalho não dependerá apenas de nossas forças… Por isso os envia a Jerusalém “para aguardar o Espírito Santo, reunidos em oração, com Maria, mãe de Jesus”. Como Maria e os apóstolos reunidos no cenáculo, devemos REZAR e invocar o Espírito Santo. Cristo já tinha afirmado: “Sem mim nada podeis fazer…” Por isso, a igreja não começa com a Ação… mas com a Oração, com Maria, Mãe de Jesus (e da Igreja)…

Cristo PARTE, mas PERMANECE na COMUNIDADE. A Ascensão de Cristo ao céu não é o fim de sua presença entre os homens, mas o começo de uma nova forma de estar no mundo. Sua presença acompanha com sinais a nossa Missão evangelizadora. Deus está presente e nos envia como seus apóstolos, para que Cristo seja conhecido e amado por todos os homens. Canto: Ide pelo mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura.

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 05.06.2011
You can also change the fade animations for the phone tracking device app switcher.